Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

Fui um dos muitos Portugueses que assistiu na SIC á entrevista de José Sócrates. Tinha grande curiosidade em perceber qual seria a estratégia a seguir pelo PS após uma derrota que os fez passar de pretendentes a uma maioria absoluta a partido em sério risco de perder as eleições. Devo confessar que não estava á espera do que assisti!


 

Depois de quatro anos de um primeiro-ministro arrogante, convicto do seu caminho (por muito errado que ele seja), que explodia com facilidade quando provocado, muitas vezes grosseiro, tivemos perante nós um homem a usar e abusar de uma pretensa humildade, querendo passar uma imagem de compreensão, muitas vezes fingindo não compreender o porquê de tantas criticas a um homem que tanto faz pelo país (pelo menos na sua óptica).

È perfeitamente natural e aceitável que após uma derrota da dimensão da que sofreu, José Sócrates tente mudar de postura, deve ser isso que os seus assessores lhe recomendaram, mas do que eu, e creio que a maioria dos portugueses, não estávamos á espera era daquele exagero. José Sócrates quis encarnar um papel, mas exagerou, revelando péssimos dotes de actor (quem diria!!!), e passando uma imagem de falsidade, de embuste, que lhe sairá muito cara nas eleições. Porque ou Sócrates insiste na postura na esperança de que todos sejamos inocentes o suficiente para cair no logro, ou Sócrates volta ao estilo prepotente que tão maus resultados deu.

O certo é que o primeiro-ministro se colocou entre a espada e a parede, e ainda bem para o país. Na são Caetano á lapa devem ter adorado a entrevista. Eu sei que adorei. Obrigado sr. "engenheiro".



publicado por Política de Verdade às 12:50
19 de Junho, 2009 | link do post | comentar

 
Donativos

Donativos

Redes Sociais