Domingo, 21 de Junho de 2009

As reacções ao manifesto dos 28 economistas revelam o desespero do Partido Socialista, e também daquela esquerda que vê no investimento público a qualquer preço a salvação do país. Uns dedicaram-se a acusar os subscritores de apego ao poder, ao verem nisto uma manobra de se aproximarem às teses defendidas por Manuela Ferreira Leite desde que chegou a líder do PSD. Nesta tese ilusória, acredita-se que estes economistas vêem que o PSD pode chegar ao poder, e desta forma procuram ganhar os bons créditos de um possível futuro governo. Só por pura imaginação se pode imaginar que homens como Henrique Neto, Silva Lopes, Medina Carreira ou Augusto Mateus (já para não falar em muitos outros) se envolveriam numa iniciativa destas apenas por desejo de proximidade com o poder. Além que acusar os subscritores, muitos deles da área do Partido Socialista, de estarem a fazer um frete a Manuela Ferreira Leite, é puramente ridículo. Outros têm tentado retirar credibilidade aos nomes apresentados, por terem sido ministros de outros governos, muitos deles do Partido Socialista. As críticas têm-se centrado na crítica aos subscritores, e não à sua posição propriamente dita.Talvez porque não conseguem colocar em causa a competência dos subscritores.

 

É óbvio que este manifesto nasceu da convicção que estes economistas têm que avançar neste momento, de grave crise económica e com o endividamento externo a atingir números assustadores, para a construção de o novo aeroporto de Lisboa, para o TGV ou para a 3ª auto-estrada Porto-Lisboa seria catastrófico para o país. Depois desta tomada pública, restam poucas pessoas fora da área socrática a defender estas construções no imediato. Isto, claro, exceptuando as empresas do sector de construção civil, por motivos óbvios.

 



publicado por Política de Verdade às 02:32
21 de Junho, 2009 | link do post | comentar

 
Donativos

Donativos

Redes Sociais