Sábado, 27 de Junho de 2009

O impasse que durou um ano em torno da sucessão do Provedor de Justiça foi responsabilidade directa de dois intervenientes: José Sócrates e Manuela Ferreira Leite. Ambos achavam que tinham direito a escolher o próximo Provedor, que possuíam o direito àquela fatia específica do espólio institucional do Estado que, para mais, trazia um brinde acoplado: uma inerência no órgão consultivo do Presidente da República.

Durante este último ano, Nascimento Rodrigues, com enorme sacrifício pessoal e com uma raríssima noção de serviço público foi-se aguentando no cargo até que, saturado, bateu com a porta, forçando um entendimento, devolvendo o futuro da Provedoria às mãos do Parlamento. O processo não dignificou a classe política e, sobretudo, os dois partidos que sempre comandam os destinos da governação. Sócrates achou que ia vergar a determinação de MFL lançando a candidatura de Jorge Miranda, contando com a adesão e os votos do PSD no Parlamento. Mas MFL não transigiu e optou por apoiar uma candidatura própria, adivinhando-se logo o chumbo de ambas, porque nestas coisas ou bem que o Bloco Central se entende, ou então nada se faz nem anda para a frente.

As insistências de Cavaco Silva parece que surtiram efeito e, soube-se hoje, Alfredo José de Sousa é o nome que ambos os partidos vão submeter a votação parlamentar. Embora tenha demorado um ano, o PSD acaba por ganhar esta guerra.

A ideia que fica na espuma das notícias é a de que o PSD sempre procurou o consenso, mas que Sócrates e o PS da maioria absoluta optaram por impor uma solução unilateral. A somar à recente questão dos grandes investimentos, esta é mais uma que, para a opinião pública, resulta muito bem a favor do PSD.

 

José d'Aguiar, no Corta-fitas



publicado por Política de Verdade às 01:16
27 de Junho, 2009 | link do post | comentar

 
Donativos

Donativos

Redes Sociais